Pular para o conteúdo principal

Postagens

CAFÉ FILOSÓFICO MIRIM

CAFÉ FILOSÓFICO MIRIM 2017, TRAZ A SEGUINTE REFLEXÃO: UM OLHAR PARA AS REDES SOCIAIS, SOB A PERSPECTIVA DO MITO DA CAVERNA DE PLATÃO.
Confira no link abaixo:
http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/bom-dia-rn/videos/t/edicoes/v/estudantes-discutem-a-internet-usando-platao-como-base-filosofica/6290187/




Tállison Ferreira da Silva
Postagens recentes

POEMAS DI-VERSOS

POEMA LAGOA DO PIATÓ
Ao amanhecer da aurora, ti via resplandecer,
banhada pelo Rio Açu, de um vento frio à me aquecer. O canto dos passarinhos ouvia, era lindo o sabiá. Como podes tu, lagoa, na secura te afogar?


Eis a seca braba, câncer lento a te matar; toda é a nossa culpa,  queira nós o crime pagar. Ao sujar, te poluímos sem medida e cumprimento, e da chuva, privação, este é o merecimento.


Quem eras tu e quem tu és, minha lagoa? Do verde e de ramados carnaubais, te assinalava. Tu, que alimentaste tantos quantos pescadores, hoje deixa a mendigar a quem padece  em suas dores.


Mas do céu, fazei chover, Jesus Cristo e São João. Vede a dor deste teu povo, que não tem água e nem pão, pois o que era o seu sustento se tornou foi um tormento, brasa, poeira e carvão. (SILVA, p.43, 2016)
                                                                                                                      Por: SOÁ Ferreira

O Pastor Incansável

PADRE FRANCISCO CANINDÉ DOS SANTOS
(Imagem: Dedé Ramalho)
Este é o pároco emérito da cidade de Assu/RN. Por 50 anos, esteve a frente da freguesia de São João Batista. Uma vida doada a serviço do povo assuense. Homem de fé viva e coração generoso. Vida austera e despojada. Voz que gritou no deserto urbano. O Padre do Vale. O homem sem "papas na língua." Destemido e intempestivo. Aos 80 anos, ainda celebra e  defende os interesses da coletividade, mesmo no seu anonimato.

Tállison Ferreira da Silva

Poetizando a natureza

ECOLOGIA
Água doce, doce água
De mar é feita a terra,
De água é feita a gente. 
Abaixo o desperdício! 
Poupar água: coisa urgente!

Clara, doce ou gelada,
Verde, azul ou transparente,
Sem a água não há nada. 
Nem floresta, nem semente. 

Água doce mata a sede,
Água doce é a que lava. 
Cachoeira, rio ou fonte... 
Só não pode ser salgada. 

Tanto bate até que fura,
Diz ditado popular... 
Cuida dela! Você jura? 
Vamos economizar!


Ana Luiza Montes Claros - MG  MUNDO JOVEM: http://www.pucrs.br/mj/poema-ecologia-9.php

POEMAS DI-VERSOS

De poemas di-versos
                                para recordar                                                        é sempre bom!


um poeta louco escreve aos loucos, pois somente eles sentem o que o poeta sente, e o que ele sente é amor, paz e leveza.
Só os "loucos" amam e, amando, sentem-se cheirando a jasmim,qual óleo dos girassóis que nutre a pele e encharca o corpo, embalsamando a alma com os beijos nus, molhados, a esfriar a face feita álgida, de tanto nervosismo.
Eu sou louco. E você?
SILVA, POEMAS DI-VERSOS, 2016, p. 19 Por: Tállison Ferreira